Tietê realiza ações com governo do estado para conter o vírus da raiva

Neste ano foi registrado aumento do número de casos positivos em herbívoros na região

Por Redação (Itu - SP) 23/04/2019 - 15:16 hs
Foto: Prefeitura do Município de Tietê

Em Tietê vem ocorrendo casos de raiva em herbívoros desde o início do ano de 2018. Entretanto, em 2019 observou-se um aumento de casos suspeitos, sendo 3 deles confirmados por testes laboratoriais.

Com o aumento no número de casos, a Secretaria de Saúde (Zoonoses e Vigilância Epidemiológica), juntamente com a Defesa Agropecuária trabalharam juntas a fim de promover o trabalho de controle de morcegos e orientação da população.

Nos meses de março e abril, as equipes de controle da raiva do Estado de São Paulo estiveram em nosso município pelo período de duas semanas para trabalhar na região de focos positivos.

As equipes de controle da raiva e do departamento de zoonoses fizeram buscas em possíveis locais para abrigo de morcegos hematófagos, promoveram a captura e controle desses morcegos e orientaram os produtores rurais quanto à doença e vacinação do rebanho.

Esse trabalho foi realizado por seis equipes do Controle da Raiva do Estado de São de Paulo. Nesse período, percorreram os quatro municípios vizinhos: Tietê, Cerquilho, Boituva e Porto Feliz atendendo 204 propriedades. Foram visitados também 10 abrigos cadastrados, sendo 4 novos abrigos e realizadas 6 capturas de morcegos. Essas capturas são importantes para fazer o controle de morcegos e consequentemente do vírus da raiva.

Vale lembrar que existem várias espécies de morcegos e o controle é feito somente do morcego hematófago (Desmodus rotundus). A maioria das espécies é inofensiva, pois se alimentam de insetos e frutas.

 

Sobre a raiva

A raiva é considerada uma das zoonoses de maior importância em Saúde Pública, não somente por sua evolução drástica e letal, como também por trazer grandes prejuízos econômicos para os produtores rurais. Causa uma doença aguda do Sistema Nervoso Central (SNC) que pode acometer todos os mamíferos, inclusive os seres humanos.

O vírus da raiva está presente na saliva dos animais contaminados e é transmitido através da mordida de cães e gatos (no caso da raiva urbana) ou pela mordida do morcego hematófago da espécie Desmodus rotundus (morcego que se alimenta de sangue) em herbívoros (meio rural). Os sintomas são parecidos com outras doenças neurológicas: animal de afasta do bando, tem perda da coordenação motora (anda em círculos), paralisia (não consegue se apoiar direito), decúbito (não consegue ficar em pé), entre outros. Por isso, o diagnóstico laboratorial se faz necessário para se certificar se é raiva ou não.

Em outras palavras, a raiva é uma doença que não tem cura, uma vez contraída, os indivíduos e animais infectados morrem em poucos dias. Por esta razão a prevenção se faz extremamente necessária, através de vacinação dos animais domésticos e de produção (cães, gatos, bovinos e equinos) e o controle do morcego hematófago. Esse controle de morcegos hematófagos é realizado por equipes especializadas da Secretaria da Agricultura –Coordenadoria de Defesa Agropecuária através do Programa Nacional de Controle da Raiva do Herbívoros (PNCRH).

Uma dica para diferenciar as espécies de morcegos é observação das fezes, os hematófagos têm fezes escuras contendo sangue digerido, já os insetívoros pedaços de insetos, os frugívoros, sementes. Os morcegos hematófagos gostam de ficar em ambientes escuros, úmidos, silenciosos onde não há habitantes como por exemplo, casas abandonadas, cisternas desativadas, bueiros, grutas e oco de árvores. Essas informações são essenciais para a eficiência das equipes, o produtor rural conhece a região e pode ajudar informando os possíveis locais para encontrar os abrigos dos morcegos e assim promover o controle.

Contudo, devemos sempre ficar atentos a morcegos com comportamentos estranhos, voando durante o dia, se permanecem pendurados em locais com incidência de luz solar, ou mesmo se encontrar algum caído no chão. Em situações como estas, a orientação do departamento de zoonoses de Tietê é que NUNCA pegue o animal diretamente com a mão, sem proteção, além disso, é necessário que entre em contato com o Centro de Zoonoses onde serão passadas as orientações necessárias de como proceder. O munícipe deve estar ciente que matar esses animais é crime ambiental, pois eles são importantes para o equilíbrio do ecossistema e desempenham papel fundamental no controle biológico de insetos.

Então a maneira mais eficiente de combate à raiva é a VACINAÇÃO dos animais.

Os animais de produção (bovinos e equinos) devem ser vacinados por via subcutânea (entre pele) ou intramuscular. Os produtores devem vacinar todos os animais acima de 3 meses em duas doses, sendo a segunda dose após 25-30 dias a contar da primeira dose, com reforço anual.

O custo com a vacinação é imensamente menor que a perda de um animal do rebanho, ficando em torno de R$ 2,00 por cabeça. Esta vacina é encontrada em qualquer agropecuária.

Um ponto muito importante para o sucesso da vacinação é o controle de temperatura, a vacina deve ser mantida refrigerada em uma temperatura entre 2ºC a 8ºC, em isopor com gelo reciclável. O congelamento também é prejudicial e a vacina perde sua eficácia neste caso.

O produtor também pode, além de realizar o esquema vacinal, promover o controle indireto de morcegos através do uso da pasta vampiricida em animais mordidos. A pasta deve ser passada ao redor da mordida (entre 1 a 2 dedos de distância), no entardecer durante 5 dias consecutivos. Isso promoverá um controle do morcego que está mordendo aquele animal.

Já para animais de companhia, o nosso município conta com uma eficiente Campanha de Vacinação Antirrábica em cães e gatos que ocorre anualmente entre os meses de agosto e setembro, em todos os bairros da cidade e na área rural. Fiquem atentos à divulgação do cronograma. Além da Campanha, o Centro de Zoonoses possui esquema de vacinação permanente no setor. As vacinações ocorrem toda primeira semana do mês através de agendamento.

Nós, da Equipe de Zoonoses do município de Tietê, estamos à disposição para ajudar e esclarecer quaisquer dúvidas da população. Contato pelo telefone (15) 32821480. Horário de atendimento: Segunda à sexta, das 7:00 às 16:00 horas.