Condenado por homicídio, ex-vice-prefeito chega em Itu após ficar um ano foragido

Oliveira Júnior estava preso em João Pessoa (PB) desde que foi capturado usando documento falso.

Por Henrique Gandini (Itu - SP) 29/11/2018 - 03:15 hs
Foto: Fernando Vitarelli/ITV
Condenado por homicídio, ex-vice-prefeito chega em Itu após ficar um ano foragido
Oliveira Júnior chegou em Itu escoltado por policiais civis.

O ex-vice-prefeito de Itu, Élio Aparecido Oliveira, o Oliveira Júnior, chegou na delegacia central por volta das 3h desta quinta-feira (29), escoltado por policiais civis. Ele estava preso em João Pessoa (PB).

Oliveira, considerado pelo Tribunal do Júri como mandante do assassinato de um advogado em 2006, estava foragido desde agosto de 2017, quando teve a prisão determinada pela justiça e o nome incluído na lista de procurados da Interpol. Ex-vice-prefeito acabou flagrado um ano depois, usando documento falso durante uma averiguação da Polícia Militar em Picuí, interior da Paraíba.

Ele deve ficar na cela da delegacia de Itu até o início da tarde e depois transferido para a Delegacia Seccional de Sorocaba para passar por exame de corpo de delito. De lá, deve seguir para a cadeia pública de São Roque, onde aguardará a determinação da penitenciária em que cumprirá a pena imposta pela justiça.

CONDENAÇÃO

Em fevereiro de 2015, o Tribunal do Júri considerou que Oliveira Júnior, de fato, foi o mandante de um atentado contra a vida do radialista Josué Dantas, que culminou na morte do advogado Humberto da Silva Monteiro, com dois tiros na cabeça. O Juiz de Direito da 2ª Vara Criminal, Hélio Villaça Furukawa, condenou o ex-vice-prefeito a 20 anos de prisão, em regime inicial fechado por homicídio duplamente qualificado.

Diante da decisão, a defesa recorreu e o Tribunal de Justiça de São Paulo entendeu que o empresário deveria aguardar o julgamento do recurso em liberdade, já que era réu primário e possuía endereço fixo. Ordem veio três anos depois, quando a Justiça atendeu ao pedido do promotor Luiz Carlos Ormeleze e decretou a prisão do ex-vice-prefeito. 

CRIME

O advogado Humberto da Silva Monteiro foi morto com dois tiros na cabeça, no Centro de Itu. Vítima estava no banco do passageiro de um veículo dirigido pelo radialista Josué Dantas Filho. Os autores, em uma moto, atiraram contra os ocupantes, mas o radialista escapou sem ferimentos.

Na época, Oliveira Júnior tinha rompido com o então prefeito Herculano Passos, hoje deputado federal pelo MDB. Quando foi assassinado, o advogado era contratado da prefeitura. De acordo com o Ministério Público, o crime aconteceu por divergências políticas.

Todos os acusados de participação no crime foram condenados — Tiago Martins Bandeira e Eduardo Aparecido Crepaldi foram acusados de serem os executores. A Justiça também considerou culpados, Luís Antônio Roque e o ex-policial militar Nicéias Brito, que eram seguranças do ex-vice-prefeito. 

O ex-chefe de torcida organizada Força Jovem, do Ituano, José Roberto Trabachini, chegou a ser acusado de tentar contratar assassinos que cometeriam o crime, mas, foi o único a ser inocentado pela Justiça.

DEFESA

A defesa de Oliveira Júnior tenta um recurso no Superior Tribunal de Justiça (STJ) para anular o Júri.