Campanha fecha o ano com 2100 castrações de cães e gatos em Salto

A última etapa da campanha foi realizada nos dias 19 e 20 de dezembro

Por Redação (Itu - SP) 27/12/2017 - 15:29 hs
Foto: Imprensa Salto

A campanha de castração de cães e gatos realizada pela Prefeitura de Salto, por meio do Departamento de Zoonoses da Secretaria da Saúde, fechou o ano de 2017 com o procedimento realizado em 2100 animais.

A última etapa da campanha foi realizada nos dias 19 e 20 de dezembro, no Centro Esportivo João Luiz Guarda – Buracão, onde foram castrados 134 cães e 118 gatos. A ação é uma parceria entre a Prefeitura e a Clínica Veterinária Ricardo, responsável pelos atendimentos na cidade.

Segundo a médica veterinária do Centro de Controle de Zoonoses de Salto, Luciana Soares, a castração, além de auxiliar no controle de zoonoses, previne câncer de mama nas fêmeas e de próstata nos machos. A profissional destaca também que o procedimento também evita crias indesejadas, contribuindo para diminuição do abandono e de maus tratos a animais.

O serviço de castração é o gratuito, mas, para que o animal receba o atendimento, é preciso realizar uma inscrição prévia no setor de Zoonoses do município, que fica à rua Floriano Peixoto, 1132 – Vila Nova. O munícipe também pode entrar em contato através do telefone (11) 4029-4212. O setor de Zoonoses atende de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h.

Controle de vetores

O Departamento de Zoonoses do município realiza durante todo o ano, o controle de vetores no município. Neste mês, as ações contra Leishmaniose canina foram intensificadas, após a detecção de em um animal infectado.

A investigação aconteceu na região do Jardim Marília, onde foram coletadas amostras de 70 animais, sendo descartado qualquer tipo de proliferação da doença, uma vez que todas as amostras testaram negativas.

Segundo a veterinária Luciana Soares, foi realizada uma ação denominada bloqueio de quarteirão, quando se retira o animal detectado com a doença de circulação, e todos os animais das ruas laterais e dos fundos de onde se constata a presença de um animal infectado, são examinados.

“Como tivemos um caso pontual de leishmaniose, realizamos um bloqueio de quarteirão na região, mas não constatamos nenhum outro animal infectado. Vale ressaltar que em Salto nós nunca tivemos nenhum caso de leishmaniose em humanos e quando detectamos um animal doente, prontamente fazemos todos os procedimentos para saber se existem outros casos na região”, finalizou a veterinária.