Notícia de adolescente morta após marcar encontro por Whatsapp, em Itu, é falsa

Pelo menos duas notícias de conteúdo duvidoso foram registradas pela ITV.

Por Henrique Gandini (Itu - SP) 05/09/2017 - 07:40 hs
Foto: Reprodução Facebook
Notícia de adolescente morta após marcar encontro por Whatsapp, em Itu, é falsa
Duas falsas notícias foram publicadas em grupo do Facebook.

Pelo menos duas falsas reportagens foram massivamente compartilhadas nas redes sociais ituanas nesta semana. Ambas envolvem crime violento como forma de induzir compartilhamento.

As duas publicações registradas pela ITV foram divulgadas na segunda-feira (04), supostamente, por uma mulher, em um dos grupos ituanos com maior número de participantes: o Acontece em Itu, no Facebook. Até a publicação desta reportagem, o grupo contava com 170 mil membros e a soma das falsas notícias já ultrapassava 500 compartilhamentos e mais de mil reações.

A primeira traz o reporte de uma jovem de 22 anos que teria sido morta pelo ex-namorado, ex-policial, no bairro Padre Bento, em Itu. A reportagem mostra os, supostos, nomes dos envolvidos e cita a Secretaria de Segurança Pública como fonte das informações; o crime teria acontecido no domingo (3). No entanto, a SSP e a Polícia Militar de Itu desconhecem qualquer ocorrência do gênero. 

A segunda traz a história de uma adolescente de 15 anos que teria sido morta após marcar encontro pelo aplicativo de mensagens instantâneas Whatsapp. A publicação diz que o corpo da jovem foi encontrado no bairro Jardim Aeroporto, em Itu, ainda com o celular nas mãos. Casos como este, obrigatoriamente, necessitam de Perícia Técnica, mas a Polícia Científica informou não ter sido acionada para nenhuma ocorrência do gênero. A SSP e a Polícia Militar de Itu também não possuem registros. Por fim, a reportagem da ITV checou uma fonte no serviço funerário que também negou conhecimento sobre o fato. 

A convite da ITV, o portal Boatos.org analisou as duas publicações. Para o site, ambas são claramente fantasiosas e foram publicadas, no grupo ituano, por um perfil falso. Apesar de conter datas e endereços, os textos esbanjam erros ortográficos e não seguem estrutura jornalística.

Outro ponto importante, é que a página de internet em que as notícias foram publicadas trata-se de um site colaborativo de artigos — e não um portal jornalístico. No site, qualquer pessoa, jornalista ou não, pode escrever e publicar artigos, chegando até a receber dinheiro de acordo com o número de acessos. "Isso explica o uso de crimes violentos como forma de atrair cliques.", finaliza Boatos.org.